eu não sei ser o projeto poeta-romântico do século XXI, eu falo o que eu quiser e calo quando quiser e grito quando quiser e quero quando quiser. eu mando (ou tento, na maior parte do dia, na noite desmorono)
s

Meu coração vagabundo quer guardar o mundo em mim.

Quase amores não existem. E não existem mesmo. Mas existem. Tudo bem, você pode desconfiar de um quase corno. Mas, provavelmente, nunca apertou a mão de um semi-gay. Ligeiramente grávidas são um desafio para a ciência. De meio amigos também não há registros, porém para encontrar mui amigos, chute uma lata e surgirão como ratos. Mas quase amor existe. Quase amor é aquele ensejo de romance que surgiu com sabor de sorvete de baunilha. Você foi dar uma colherada com gosto e SPLASH! Ao levar o prazer até a boca, o doce escorreu e espatifou, melecando sua calça jeans. Todo mundo passa por isso, quer queira, quer não. Histórias de quase amor não lotam pré-estreias em Los Angeles, mas na vida sem bilheterias goleiam impiedosamente os contos de amor concreto. Um amor que não passa do primeiro beijo porque o cara é noivo, é um quase amor. Um romance que não chegou no sexo, pois uma das partes embarcou com urgência para Londres sem aviso prévio, é quase amor também. Visualiza a cena: você gosta de uma garota comprometida e pede a ela que não suba no ônibus. Ou será o fim. Ela titubeia, faz bem-me-quer, mas segura o corrimão, ergue o pé direito e te olha com beiço de despedida. Pronto, outro quase amor saindo quentinho. Uns duram cinco anos, outros cinco meses. Raros, cinco dias. Contudo – de fato e amargamente – quase amores se dão como formigas em pote de mel. Por isso quase amores existem e não existem. Talvez não tivera beijo, ou não houve sexo, quiçá um abraço de urso. Quase amores são cheios da falta de café na cama, juras de amor eterno, cena de ciúme, mordida no queixo, lutinha no carpete, banho de espuma, briga na casa da sogra, despedida em rodoviária, confusão de chinelos, chimarrão no meio-fio, troca de alianças, beijo na testa, orgasmo com choro e velhice compartilhada. E se engana quem pensa que os quase amores são aqueles impossíveis ou proibidos, do tipo Janet Dailey. Amores por um triz têm motivos circunstanciais. Amor que é proibido, mas os dois se correspondem, já é amor completo, mesmo que imperfeito. Quase amor é quando um dos lados se doa pela metade, quando tanto. Aí é pretérito. Bem mais que imperfeito. Quase amor é um lugar estranho e ao mesmo tempo familiar. Aconchegante e inóspito. Enérgico e gélido. É como quando você tem um déjà vu ao entrar numa rua ladrilhada dessas de cidade histórica. Um lugar aonde você jamais esteve, porém consulta sua memória rígida buscando reconhecer árvores, calçadas e telhados. Uma saudade abstrata pressiona o peito. E quase dói.

—    Quase amores
  1. afraidhave reblogou isto de efemera-dor
  2. efemera-dor reblogou isto de efemera-dor
  3. h-onoluluna reblogou isto de declinium
  4. smile-invisivel reblogou isto de prestigiador
  5. alinysantos reblogou isto de giulamiranda
  6. mente-conturbada2 reblogou isto de reinterpretar
  7. infin-davel reblogou isto de reinterpretar
  8. acalantei reblogou isto de segredou
  9. will-remember reblogou isto de ileeft
  10. dramaqueen-in-action reblogou isto de segredou
  11. ileeft reblogou isto de segredou
  12. theydontcar-e reblogou isto de segredou
  13. tequilandyou reblogou isto de segredou
  14. fukinginthestars reblogou isto de segredou
  15. reinterpretar reblogou isto de segredou
  16. dreams-and-therapys reblogou isto de segredou
  17. improvar reblogou isto de segredou
  18. it-perpetuates reblogou isto de segredou
  19. e-tudo-acabou reblogou isto de segredou
  20. nadaseracomojafoiumdia reblogou isto de herbreak
  21. herbreak reblogou isto de enoitecer
  22. p3quenagarotinha reblogou isto de r-o-m-a-n-t-i-s-m-o
  23. give-me-love-sz reblogou isto de enoitecer